Novum Canal

mobile

tablet

Mais alunos do ensino secundário concluem os seus estudos no tempo esperado
Fotografia ilustrativa

Mais alunos do ensino secundário concluem os seus estudos no tempo esperado

Partilhar por:

Dois estudos da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC) relativos ao percurso dos alunos que frequentam o ensino secundário nos cursos científico-humanísticos (CCH) e no ensino profissional (EP) confirmam que “há um aumento significativo dos alunos que concluem o ensino secundário em tempo esperado, isto é, que o completam em três anos, sem retenções”.

“Situação após 3 anos dos alunos que ingressam em cursos científico-humanísticos” e “Situação após 3 anos dos alunos que ingressam em cursos profissionais” são dois estudos que permitem acompanhar o percurso dos alunos, comparando cursos, áreas de formação e os seus percursos de sucesso. Em linha com dados recentes sobre o abandono escolar precoce e com as taxas de retenção, verifica-se que o desempenho do Ensino Secundário tem vindo a melhorar e que, em ambas as vias de estudo, há um aumento significativo dos alunos que concluem o ensino secundário em tempo esperado, isto é, que o completam em 3 anos, sem retenções”, lê-se na nota informativa do gabinete do Ministério da Educação.

De acordo com a mesma fonte, os dois estudos apontam para “uma efetiva melhoria na conclusão dos CCH em três anos ao longo do período temporal para que há dados disponíveis: 55% dos alunos que concluíram os cursos em 2014/2015 faziam-no em três anos, sendo que se regista 69% de alunos que concluíram em 2019/2020 no “tempo normal” (um crescimento de 14 pontos percentuais)”.

Segundo o Ministério da Educação, os dois estudos confirmam existir “uma melhoria similar, no EP, na conclusão dos cursos em três anos ao longo do período temporal para que há dados disponíveis: 53% dos alunos que concluíram os cursos em 2014/2015 faziam-no em três anos e 65% dos que concluíram em 2019/2020 (um crescimento de 12 pontos percentuais)”.

Fotografia ilustrativa

Os dois trabalhos evidenciam, ainda, que “os alunos com melhores resultados no ensino secundário frequentam, no ensino básico, os cursos gerais ou artísticos especializados, comprovando-se que a dualização precoce, extinta com os cursos vocacionais, não era desejável”.

Os dados apontam para que “registam-se melhores resultados nas regiões Norte e Centro”, esclarecendo que “ainda que haja recuperação em todas as regiões, mantém-se o hiato face a outras regiões, em particular o Algarve e a Área Metropolitana de Lisboa”.

“Os alunos que iniciam o secundário no grupo etário normal – com 15 anos – têm melhores resultados, o que mais uma vez indicia que a retenção e consequente atraso na idade de desenvolvimento dos estudos não revela eficácia comprovada”, refere o comunicado que acrescenta: “estes dados atestam ainda a importância da diversificação das ofertas no Ensino Secundário, refletindo o investimento feito em Portugal no Ensino Secundário, e o sucesso continuado e sustentado das políticas e das práticas localmente desenvolvidas pelas escolas e pelos professores para a melhoria dos resultados”.

“O facto de ser ainda no ensino secundário que se encontram os principais focos de exclusão justifica que este investimento continue” concretiza o Ministério da Educação.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!