Novum Canal

mobile

tablet

Sindicatos médicos avançam para a greve dias 23, 24 e 25 de novembro
Fotografia: SNS

Sindicatos médicos avançam para a greve dias 23, 24 e 25 de novembro (c/vídeo)

Partilhar por:

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) vanunciaram, esta quarta-feira, na sequência de uma reunião, que vão avançar para a greve dias 23,24 e 25 de novembro.

A decisão das duas estruturas sindicais foi assumida na sequência de um encontro ocorrido esta quarta-feira “para analisar o estado atual do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os problemas laborais enfrentados pelos seus médicos”.

Num comunicado que se encontra publicado nos sites das respetivas estruturais sindicais, assinado pelo secretário-geral do SIM, Jorge Roque da Cunha e pelo presidente da FNAM, Noel Carrilho, os sindicatos médicos esclarecem que “concentrados que estiveram no combate à pandemia e após se ter atingido a meta de vacinação de 85% da população, a exaustão e exasperação dos médicos é notória”.

“Apesar dos constantes apelos, mantém-se a recusa do Governo em investir de forma consequente no SNS e na negociação de condições de trabalho adequadas para os médicos”, refere o comunicado, salientando que as” insuficiências dos serviços de saúde são já indisfarçáveis, com vários serviços a assumirem a rutura de forma pública”.

Sindicatos médicos avançam para a greve dias 23, 24 e 25 de novembro
Fotografia: SNS

De acordo com os sindicatos médicos a “grande maioria não consegue cumprir com os seus compromissos assistenciais, mesmo laborando no limite das capacidades. Esta situação sucede em todos os níveis de cuidados e por todo o país. São fruto de muitos anos de desinvestimento no SNS tendo sido agravadas pela pandemia”.

As duas restruturas sindicatos relembram que “as deficitárias condições de trabalho têm levado à desvinculação dos médicos do SNS o que, associado às reformas por idade e à fraca retenção de jovens especialistas, está a criar gravíssimas insuficiências”.

“Os sindicatos médicos lamentam que os seus alertas, apelos e comunicados não tenham sido ouvidos e que o SNS não tenha sido reforçado em bom tempo, nomeadamente em termos de recursos humanos médicos”, lê-se no comunicado que realça que as “propostas para o Orçamento do Estado de 2022 são desproporcionais e desadequadas em relação às reais necessidades do SNS”.

“As propostas que supostamente respeitam à capacidade de reter médicos no SNS, são completamente inconsequentes”, acrescenta ainda o comunicado que assegura que os “sindicatos médicos não podem ficar indiferentes perante o desmantelar do SNS”.

Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos afirma acreditar “que a crise do SNS pode ser ultrapassada, mas apenas com medidas de força, imediatas e sustentáveis, que incluam uma adequada gestão de recursos humanos”.

As duas estruturas defendem ser fundamental dar “início a um processo negocial honesto e de reais efeitos práticos, que contemple a melhoria das condições de trabalho; a defesa da carreira médica, ou seja, de uma diferenciação técnico-científica de qualidade; a justa e adequada remuneração dos médicos; a possibilidade de opção pelo regime de trabalho em dedicação exclusiva, devidamente majorada e acessível a todos os médicos”.

“A defesa do SNS faz parte da missão dos sindicatos médicos e acreditamos fazer parte da solução para o reerguer. Os médicos estão a ser empurrados para um caminho de confronto que não desejariam”, aludem os dois sindicatos que decidiram solicitar com “carácter de urgência reuniões com os grupos parlamentares para apelarem ao reforço do SNS, promover reuniões de esclarecimento sindical nos hospitais e centros de saúde para mobilizar os médicos para essa defesa”.

Os dois sindicatos reiteram a importância do “diálogo com o Ministério, pelo que mantém a exigência da abertura de uma mesa negocial formal”.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!