Novum Canal

mobile

tablet

Preços cos combustíveis voltaram a subir esta segunda-feira

Preços dos combustíveis voltaram a subir esta segunda-feira (c/vídeo)

Partilhar por:

Os preços dos combustíveis voltaram a subir, esta segunda-feira, com aumentos no preço do gasolina a rondar os 2,5 cêntimos por litro e no gasóleo a atingir 3,5 cêntimos por litro.

Refira-se que este ano, o preço dos combustíveis tem conhecido sucessivas oscilações, com consequências para a vida dos portugueses, em especial, que têm de fazer uso do seu meio de transporte, mas também, para outros setores que estão dependentes dos combustíveis.

O Novum Canal auscultou, esta segunda-feira, vários cidadãos que manifestaram a sua estupefação e angústia perante as sucessivas subidas dos preços dos combustíveis.

Paulo Seixas, dos Açores, assumiu que tem sentido na pele, o sucessivo aumento do preço dos combustíveis.

“Efetivamente os preços estão incomportáveis. Sou dos Açores e verifico que existe uma diferença significativa entre os preços que são praticados nos Açores e no continente. Estamos a falar de uma diferença  de cerca de 30 cêntimos por litro. Sabia que os preços iam voltar a subir esta segunda-feira e por isso tratei de abastecer antes”, avançou, sustentando que desde que está no continente, há cerca de 15 dias, o preço dos combustíveis já subiu algumas vezes.

Paulo Seixas admitiu mesmo que esta situação a manter-se irá ter um peso significativo nos rendimentos das famílias e até nalguns setores da economia.

“Costumo dizer que se vivesse aqui era impensável andar de carro. Teria que andar de transportes públicos ou andar a pé”, avançou, sublinhando que o Governo terá de ser uma voz mais interventiva nesta situação.

“Em vez de ganhar sessenta e tal por cento em cada litro podia ganhar trinta. Há uma sobrecarga imensa de impostos. Não há nada que os portugueses comprem de pague 60% de imposto, a não serem os combustíveis. Enquanto o povo não fizer um 25 de abril outra vez, o cenário vai manter-se”, afirmou.

Sandra Nunes, de Paredes, alinhou pelo mesmo diapasão, confirmando que o preço dos combustíveis está a esmagar sobretudo os empresários e quem necessita de circular e não tem outro meio de transporte.

“Estou preocupada. Trabalhamos todos os dias, os salários são o que são e quem tem carrinhas na estrada é difícil suportar os aumentos. Toda a gente anda de carro e estes aumentos penalizam todos. Tenho várias carrinhas e terei de reduzir nalguma coisa. Não se justificam tantos aumentos”, atalhou, concordando que o Governo tem de implementar medidas que protejam quem, todos os dias, depende do seu carro para circular.

Paulo Dias, empresário, recordou que o preço dos combustíveis refletem-se no preços das outras coisas.

“O que é inadmissível, dizem, é que mais de metade dos preços dos combustíveis é para impostos. O Governo não só poderia como deveria intervir, até porque estamos a sair de uma crise sanitária. Julgo que as pessoas deveriam reivindicar os seus direitos de uma forma ordeira para contestar estes sucessivos aumentos”, concretizou, recordando que já pagamos o IVA mais alto com a agravante de termos salários baixíssimos.

Carla Pacheco mostrou-se igualmente indignada com estes aumentos.

“São incomportáveis. Não entendo estes sucessivos aumentos. Julgo que o Governo terá de travar estes aumentos até porque há muitos cidadãos que depende dos seus meios de transporte, além das empresas que são igualmente afetadas”, precisou.

Tipo Cepeda, de Paredes, manifestou, também, estar incrédulo com as sucessivas subidas do gasóleo e da gasolina.

“Ontem verifiquei que havia já uma grande afluência às gasolineiras. Trabalho num ginásio, mas verifico que há pessoas que já se deslocam de bicicleta e adotam outros meios de transporte. O problema julgo que não é no barril, mas nas taxas impostas pelas gasolineiras. Os combustíveis estão efetivamente a um preço absurdo”, constatou.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!