Novum Canal

mobile

tablet

Publicidade

Candidatura: Paulo Araújo Correia diz que limitações da DGS impediram que várias figuras do partido estivessem presentes
Fotografia: Coligação “Penafiel Unido”

Paulo Araújo Correia aponta habitação, transportes e ação social como pilares da sua candidatura (c/vídeo)

Partilhar por:

O candidato Paulo Araújo Correia, pela coligação “Penafiel Unido”, coligação que junta o PS com o RIR, de Vitorino Silva, voltou a apontar, no domingo, na apresentação da candidatura às autárquicas, a habitação, transportes e ação social como pilares da sua estratégia.

“O que notamos e que existem déficits de liberdade em Penafiel em áreas essenciais. Digo isto porquê? Não é livre um jovem da minha geração que quer aceder a habitação própria e não o consegue fazer porque os preços das casas são elevados. Defendemos e bater-nos-emos para que todas as pessoas possam aceder a habitação própria. Sabemos que as autarquia têm recursos finitos, mas há uma aposta forte do Governo da República em construir um parque público em programas como o primeiro direito e existem municípios como o de Matosinhos que beneficiou de cerca de 50 milhões de euros para a habitação pública. Em Penafiel queremos construir soluções concretas para ir de encontro às expectativas dos jovens”, concretizou.

O candidato pela coligação “Penafiel Unido” relevou a força da coligação “Penafiel Unido” naquilo que é a estratégia de construir um concelho onde se possa viver melhor, reconhecendo que tudo o que seja para acrescentar força, trazer conhecimento e quadros é uma mais-valia para a coligação.  

“Esta coligação com o RIR, como terceira força política em Penafiel, o único partido com representação autárquica em Penafiel além da Coligação Penafiel Quer e do PS é importante e resulta de um trabalho que o PS vem desenvolvendo ao longo dos  últimos três anos, que é um trabalho  de abertura do partido, diálogo com a sociedade civil e também com os outros partidos com o objetivo de construir um concelho onde se possa viver melhor que venha acrescentar força, conhecimento, quadros”, expressou relevando o peso de Vitorino Silva, figura conhecida por todos nós, em Penafiel e em Portugal que rotulou como “um homem do povo, que conhece as legítimas aspirações dos penafidelenses  mais humildes”, expressou.

Paulo Araújo Correia destacou, por outro lado, que foi feito um trabalho, nos últimos três anos por parte do PS no sentido de auscultar aquilo que sãos os anseios e as necessidades do território.

“O PS  abriu-se à sociedade, implementado diversas iniciativas, trazendo a Penafiel a secretária de Estado da Habitação, o ministro do Ambiente, o secretário de Estado responsável pelos transportes”, concretizou.

O candidato desvalorizou a ausência de vários figuras ligadas ao PS, nomeadamente André Ferreira e de outras figuras do partido, assumindo que a crise sanitária que continua a atingir a região e o país associada às limitações impostas pela Direção-Geral de Saúde (DGS) impediram que muitos apoiantes e figuras ligadas ao partido pudessem ter estado presentes.

“Houve militantes e simpatizantes que gostariam de estar aqui e ficaram entristecidos por não poderem fazê-lo. Pedimos um parecer prévio à DGS e entendemos que devíamos respeitar o sofrimento que a comunidade estar a passar e como nos foi dito que poderíamos ter 20 lugares sentados, entendemos que devíamos dar lugar às pessoas que integram o projeto. Infelizmente os lugares eram exíguos, o que não quer dizer que não tivesse gosto em ter essas pessoas e todas as outras que se reveem nos valores e nos ideais do PS”, disse , assumindo que com a massificação do processo de vacinação será criada a tão desejada imunidade de grupo e as oportunidades para juntar a família do PS e também outras pessoas que se reveem no projeto do PS vão acabar por surgir.

Questionado  se a coligação “Penafiel Unido” já tem candidato à presidência da Assembleia Municipal, Paulo Araújo Correia realçou que o seu nome a seu tempo será conhecido, avançando, desde já, que será uma figura forte que irá de encontro àquilo que são os interesses dos penafidelenses.

“Compreendo a pergunta, mas temos os nossos momentos que queremos fazer ao longo da campanha, temos um calendário, uma organização. O seu nome será apresentado e será um nome muito forte e conhecido no concelho. As equipas às juntas de freguesia, à vereação, como à assembleia municipal estão praticamente feitas, mas temos “timings” comunicacionais e não podemos partilhar tudo de uma só vez. Teremos garantidamente condições para dar uma resposta cabal aos desejos dos penafidelenses”, avisou.

“Atual governação em Penafiel está esgotada”

Nuno Araújo, presidente da Comissão Política Concelhia do PS Penafiel, questionado se será alternativa a Alberto Santos, limitou-se apenas a afirmar que será uma alternativa à coligação de direita e integrará as listas do PS.

“Serei sempre uma alternativa à coligação de direita. Integrarei as listas do PS não sei em que lugar, é o menos importante, neste momento. O importante nesta fase não são os lugares. Queremos que as pessoas se envolvam, mostrem que estão com o projeto e queremos ganhar as eleições autárquicas. Achamos que os penafidelense merecem uma oportunidade diferente e somos uma coligação de partidos que irá mostrar que há uma alternativa diferente para Penafiel”, sublinhou, reafirmando que esta foi a coligação possível.

“Esta foi a coligação que foi possível, dialogamos com todos os partidos e Penafiel percebendo  os anseios, objetivos  e preocupações têm para o município, foi possível com o RIR encontrar essa plataforma alternativa. Em outubro ou em setembro veremos o resultado e o que é que os penafidelenses acham desta coligação e deste projeto e do nosso candidato”, afirmou, manifestando estar expectante que a coligação “Penafiel Unido” possa vencer as eleições autárquicas e acabar com mais de vinte anos de governação da Coligação Penafiel Quer.

“A minha expectativa é que é possível ganhar as eleições e estou convencido disso. Agora, temos de trabalhar muito ao longo dos próximos meses e contamos com o apoio dos penafidelenses. Isto não é o projeto de um homem só, de um conjunto de pessoas, de um só partido, precisamos de todos os penafidelenses”.

Nuno Araújo saudou, ainda, a constituição de uma coligação, assumindo que esta irá conferir maior consistência àquilo que é o projeto encabeçado por Paulo Araújo Correia.

O líder da Comissão Política Concelhia reconheceu que a atual governação em Penafiel “está esgotada”.

“É uma maioria que diria está esgotada, está sem ideias, sem energia. No início começaram com alguma força, com algumas ideias, mas depois as questões foram-se esmorecendo e hoje muito daquilo que se passa em Penafiel é resultado a atividade  do Governo não só do ponto de vista da proteção social, com o programa PARES, a inauguração do quartel  da GNR de Paço de Sousa, a requalificação urbana. Estamos a falar de fundos comunitários preparados pelo Governo e que permitiram mudar a face do concelho”, asseverou.

Nuno Araújo confirmou que a um município como Penafiel exige-se muito mais.  

“Acho que se exige muitos mais a um município como Penafiel. Não é possível continuar a assistir a jovens de Penafiel a irem morar para outros concelhos,  não é possível continuar a assistir a uma população  qualificada que depois desempenha outro tipo de funções que não aquela para a qual estudou, não é possível assistir a pessoas que vivem em freguesias distantes do concelho e que não têm transporte público  para se deslocarem para a sede do concelho ou para o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa e que têm que ir numa ambulância ou de táxi. Isto é inaceitável em pleno século XXI Não é aceitável ter um concelho  em que uma parte significativa das nossas freguesias ainda nem sequer têm saneamento básico. Estamos a falar de questões que deviam estar entre as prioridades da ação política”.

Sobre o candidato  da coligação “Penafiel Unido” expressou: “Paulo Araújo Correia apresenta essa forma diferente de fazer política de olhar para todas as freguesias sem discriminação”, criticando o que considerou ser o tratamento diferenciado do atual executivo municipal para com as freguesias do concelho.

“Temos  assistido nos últimos anos esta Coligação a perseguir as freguesias, tentando fazer com que alguns não sejam candidatos, ou sejam candidatos por partidos diferentes exatamente para fazer investimentos nessas freguesias”, anuiu, acrescentando que com o PS, o RIR, o Penafiel Unido, o objetivo passa por fomentar uma nova forma de estar na política, “não discriminando ninguém, respeitando todos aqueles que foram eleitos pelo voto direto do povo.  Com este projeto iremos provar que é possível viver melhor em Penafiel”.  


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!