Novum Canal

mobile

tablet

Publicidade

FC Penafiel recebe certificação “Bandeira da Ética”
Fotografia: FC de Penafiel

FC Penafiel recebe certificação “Bandeira da Ética”

Partilhar por:

O FC Penafiel recebeu a certificação “Bandeira da Ética”, um selo de qualidade sob a tutela atribuído no âmbito do Plano Nacional de Ética no Desporto (PNED) é uma iniciativa governamental implementada pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ).

O clube esclarece,  no seu site e na sua página oficial, numa referência à certificação, que “nunca a missão do clube fez tanto sentido” realçando que faz  parte da responsabilidade social do emblema formar atletas.

“O FC Penafiel passa a fazer parte de uma comunidade de instituições comprometidas com a ética no desporto e reconhecidas pelo trabalho que desenvolvem no sentido de promover os Valores Humanos, os Valores da Integridade Desportiva, os Valores da Ética e o Respeito pelos outros e pelo próprio”, adianta o clube penafidelense.

Refira-se que a  Bandeira da Ética tem como propósitos incrementar desenvolvimento humano e fomentar,  partir do desporto, a transmissão de valores éticos.

De acordo com o regulamento a “Bandeira da Ética é um processo de certificação dos valores éticos no desporto”, sendo  que a atribuição da sua certificação tem como objetivos “melhorar as instituições desportivas no âmbito dos valores e ética desportiva”.

Ainda de acordo com o regulamento, o processo de certificação Bandeira da Ética tem como pressupostos a “construção de um programa de certificação nacional na área da ética desportiva e educação para os valores no desporto; uma conceção compatível e aplicável a todas as modalidades desportivas; um processo que garanta processos justos, transparentes e de autogestão e a capacidade de gerar reconhecimento para iniciativas desportivas que apostam na temática da ética e valores no desporto”.

Fotografia: FC de Penafiel

A certificação tem como destinatários  “clubes, escolas, projetos ou qualquer outro tipo de iniciativas e entidades que queiram ver reconhecido e certificado o seu trabalho no âmbito da promoção dos valores éticos através do desporto. Nesta primeira fase encontram-se excluídas as Sociedades Anónimas Desportivas (SAD) para efeitos de certificação”.

“Os proponentes podem requerer a certificação de projetos, iniciativas ou da própria entidade no seu conjunto de atividades, devendo a informação prestada ser coincidente com o âmbito da certificação pretendida”, lê-se no regulamento que explica que “a criação, implementação e operacionalização da Bandeira da Ética compete ao Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P., através do Plano Nacional de Ética no Desporto, em parceria com a Universidade dos Valores, mediante a criação de um selo de qualidade das iniciativas desportivas, o qual deve ser potenciado pelas entidades certificadas dentro e fora da sua organização”.

A certificação visa,  ainda, “inovar, com a criação de uma metodologia para certificar os valores éticos no desporto; garantir uma metodologia flexível e útil para todo o tipo de agentes;  implementar um processo que identifique e promova boas práticas e dar visibilidade a iniciativas multiplicáveis, reconhecendo os seus agentes”.

O regulamento destaca que o processo de certificação divide-se em duas fases distintas, sendo que a  “primeira fase, de certificação, refere-se ao próprio processo de obtenção da acreditação, mediante o acesso à plataforma tecnológica “Bandeira da Ética”, estabelecendo que “numa segunda fase, de pós-certificação, as entidades verão as suas iniciativas e projetos integrados num repositório online de boas práticas de ética no desporto, fazendo parte de uma comunidade de instituições comprometidas com esta dimensão desportiva”.

Quanto aos critérios de avaliação das candidaturas, o regulamento estabelece que estes “estão na base da decisão de certificação (ou não certificação) são verificados numa primeira fase de forma automática pela plataforma e numa segunda através do processo de avaliação, validação e revisão das candidaturas”, refere o regulamento que sublinha que os “critérios considerados têm em conta a “pertinência das iniciativas; o enquadramento das iniciativas; estrutura das iniciativas;  frequência das iniciativas; presença/Peso Dimensão ético-desportiva na iniciativa; inovação e originalidade; adequação dos temas;  promoção da temática da Ética desportiva e Educação para valores e abrangência às diferentes tipologias de agentes/destinatários”.

O regulamento determina, ainda, que “as entidades/iniciativas certificadas poderão utilizar o selo de qualidade Bandeira da Ética em todos os seus processos de comunicação interna e externa”, estando “previsto o apoio institucional prévio da “Bandeira da Ética” a eventos e iniciativas que se venham a realizar e que incorporem na sua génese a promoção dos valores éticos no desporto. Este pedido é feito pela entidade promotora do evento/ iniciativa e em formulário próprio (disponibilizado em www.bandeiradaetica.pt) cabendo ao PNED/IPDJ a validação deste apoio, que se consubstancia na associação da imagem da Bandeira da Ética ao evento/iniciativa a realizar, para efeitos de publicitação e comunicação do mesmo. Após a realização do evento/iniciativa apoiado pela Bandeira da Ética, fica a entidade promotora do mesmo com a responsabilidade de o carregar na plataforma, para efeitos de certificação”.


Partilhar por:

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!