Novum Canal

mobile

tablet

Publicidade

Empresas de restauração e alojamento são as que mais recorrem a moratórias

Empresas de restauração e alojamento são as que mais recorrem a moratórias

Partilhar por:

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) avança que de acordo com os dados divulgados, esta quarta-feira, pelo Banco de Portugal, Empresas de restauração e alojamento são as que mais recorrem a moratórias.

Segundo os dados do Banco de Portugal, “no final de janeiro de 2021, 54 mil sociedades não financeiras tinham empréstimos em moratória, no montante global de 24 mil milhões de euros. As empresas de alojamento e restauração eram as que mais se destacavam, com 57% do montante dos seus empréstimos abrangidos por esta medida”.

A AHRESP insiste na necessidade da prorrogação das moratórias bancárias até 30 de junho de 2022.

“Esta é a melhor forma de apoiar a recuperação das empresas, que deve ser seguido de um plano de amortização de médio e longo prazo para todos os empréstimos que se encontram ao abrigo dessas moratórias. Além da importância da prorrogação das moratórias bancárias, os planos de amortização revelam-se essenciais, uma vez que após o término dessas moratórias, as empresas não terão capacidade para retomar o cumprimento das suas obrigações, nos termos do período pré-pandemia, pelo que os prazos de amortização devem ser prorrogados, no mínimo por mais 10 anos, reduzindo significativamente os encargos das empresas”, refere a associação.

Governo cria Bolsa Nacional de Alojamento Urgente e Temporário
Fotografia: AHRESP

A AHRESP realça, numa outra nota, que a linha de apoio à tesouraria do Turismo de Portugal deve abranger empresas recentes.

“A AHRESP defende que todas as empresas do setor da restauração, similares e do alojamento turístico possam ser beneficiárias da Linha de Apoio à Tesouraria para Micro e Pequenas Empresas do Turismo de Portugal, independentemente da data de criação da empresa. Atualmente, o financiamento é concedido em função do número de postos de trabalho existentes em fevereiro de 2020 (para microempresas) ou em novembro de 2020 (para pequenas empresas). É importante que as empresas que ainda não existiam antes destas datas possam ser igualmente apoiadas, sendo concedida a alternativa de usar o último mês disponível”,acrescenta a instituição.


Partilhar por:

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!