Novum Canal

mobile

tablet

Publicidade

Presidente da Câmara de Lousada afirma que abertura do Centro de Vacinação aumenta esperança

Partilhar por:

Fotografia: Câmara de Lousada

O presidente da Câmara de Lousada, Pedro Machado, declarou que a abertura do Centro de Vacinação Covid-19 vem aumentar a esperança dos munícipes.

Refira-se que o centro está a funcionar desde esta segunda-feira, nas instalações do Espaço AJE, tendo a  abertura coincidido com a data em que se assinala um ano desde que o município teve de adotar medidas restritivas devido ao primeiro surto Covid-19 que decorreu em Portugal.

Citado em comunicado, Pedro Machado frisou que “este foi um ano de muitos sobressaltos,  tormentas e problemas, lidando com algo que era desconhecido até para as entidades de saúde.  Temos feito tudo o que está ao alcance do Município para dar resposta a esta adversidade e, por  isso, temos de nos focar nesta esperança que a vacina representa”.

O autarca destacou que “o Centro está preparado para assumir esta função de  vacinação, permitindo que os centros de saúde do concelho não percam a capacidade de resposta  para todo o trabalho necessário, para além da Covid-19. Se, no futuro, for necessário outro tipo de  resposta e até mesmo outro local, pela chegada de mais vacinas, estaremos disponíveis para  encontrar soluções. Importa potenciar cada vez mais a campanha de vacinação, conseguindo a  imunidade de grupo”.

Fotografia: Câmara de Lousada

O diretor Executivo do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do  Tâmega III – Vale do Sousa Norte, Hugo Lopes, reconheceu que “com a abertura do Centro de  Vacinação Covid-19 nestas instalações, o trabalho vai ser facilitado, porque é um local central e tem  condições excelentes, em que a dinâmica vacinal é mais elevada pelo facto de ser um tempo de  duplicação do número de utentes a vacinar, entre primeira e segunda doses. Prevê-se que  possamos, numa fase inicial, vacinar entre os 300 e 400 utentes diariamente, mas com potencial  para ser um número bem maior”.

O diretor do ACES concordou que “o processo de vacinação é sinónimo de esperança,  mas sempre com muitas cautelas. É necessário entender que a existência das variantes pode estar a crescer em Portugal e são fatores condicionantes para que ocorra uma 4.ª vaga que se pretende  retardar e até evitar. A região esteve sempre adiantada relativamente ao resto do país em todas as  vagas. Importa referir que tivemos uma reação forte e largamente controlada na 3.ª vaga, que foi praticamente inexistente na nossa região. E aqui importa também salientar que a população com  muita responsabilidade e seriedade encaram o problema”.

A autarquia avança que este “equipamento resulta da estreita colaboração do Município, através da cedência do  espaço, em que foram previstas todas as condições validadas pela Autoridade de Saúde”.

António Borges, de 64 anos, residente em Meinedo, foi um dos primeiros utentes vacinados  nestas instalações.

Citado em comunicado, António Borges afirmou, antes da toma da vacina, que estava “ansioso para tomar a vacina e, por isso, vim sem  qualquer receio. Correu tudo muito bem”.

António Borges deixou alguns conselhos para quem vai ser vacinado, referindo que “ninguém deve ter receio de tomar a vacina. O meu conselho é que venham sem qualquer tipo de medo, de  modo a que possamos atingir, o mais rapidamente possível, a imunidade de grupo e voltar à vida  que tínhamos antes do início da pandemia”.


Partilhar por:

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!