Novum Canal

mobile

tablet

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses adverte para risco de 1800 enfermeiros serem despedidos

Partilhar por:

Fotografia: Sindicato dos Enfermeiros Portugueses

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) alerta para a existência de 1800 enfermeiros que estão em risco de despedimento.

O SEP revela, no seu site e na sua página oficial, que o despedimento por cessação de contrato de trabalho a termo é “inaceitável”, sustentando que esta situação “pode acontecer a cerca de 1800 enfermeiros”.

O SEP reclama que a resolução do problema por parte do Governo, informando que expôs a situação, através do envio de cartas, ao primeiro-ministro e ministra da saúde exigindo que “nos estabelecimentos com “natureza de gestão empresarial” (EPE), conversão em contratos sem termo de todos os contratos de trabalho a termo, incluindo os de termo Incerto com fundamento na substituição de enfermeiros temporariamente ausentes”.

O SEP reclama também que “nos estabelecimentos do setor público administrativo, renovação automática de todos os contratos de trabalho em funções públicas a termo certo até ao termo dos referidos procedimentos concursais, e, até 30 de março, abertura de concurso pelas Administrações Regionais de Saúde do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo”.

“Este é o momento de passar da retórica política à solução de problemas”, refere o sindicato.

Fotografia: Sindicato dos Enfermeiros Portugueses

O SEP confirma, ainda, que “apesar da crescente diminuição do número de novos casos e de pessoas internadas com Covid 19… as necessidades em saúde destas pessoas vão manter-se e ampliar-se”.

“Considerando, nomeadamente, as necessidades em saúde dos citados cidadãos;  a imprescindível emergência de retomar e intensificar as respostas do SNS às designadas “necessidades em saúde não Covid 19”;  o crescente aumento da atividade dos enfermeiros inerente à referida “testagem e vacinação maciças”; a imperiosa necessidade do gozo de férias, tolerâncias, folgas, tempos de repouso e outros direitos e, a necessária integração dos jovens enfermeiros que, terminando o seu curso em Julho, devem ser admitidos a partir de Agosto, imprescindíveis no quadro do Plano de resposta Outono/Inverno”, lê-se nas cartas que foram enviadas ao primeiro-ministro e à ministra da Saúde.

O SEP manifesta, ainda ser “amplamente incompreensível e profundamente intolerável o despedimento destes enfermeiros”, realçando que relativamente ”à valorização e reconhecimento do papel dos enfermeiros no atual quadro pandémico, publica e sucessivamente reafirmado por decisores políticos, esta é uma área e o momento de passar da percecionada retórica política à consequente concretização das medidas”.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!