Novum Canal

mobile

tablet

“É importante que as pessoas percebam que estamos todos na mesma situação”, Tânia Madureira, Movimento Zora

Partilhar por:

Fotografia: Zora – Movimento Associativo de Jovens Marconses

Tânia Madureira, coordenadora do departamento de ação social, saúde e solidariedade, do Zora  – Movimento Associativo de Jovens Marcoenses, grupo que tem como objetivos contribuir para o desenvolvimento do Marco de Canaveses, realçou, numa alusão à iniciativa “Impacto do Covid-19 na Saúde Mental, que a instituição vai levar a cabo este sábado,  que “é importante que as pessoas percebam que estamos todos na mesma situação, que percebam que não estão a passar por esta situação difícil sozinhos”.

“O departamento de ação social e solidariedade, através desta conversa com a Dra. Ana Sofia Rochinha, em torno do tema “Impactos da Covid-19 na saúde mental”, pretende fazer chegar a todos que irão assistir, uma mensagem de que é normal não estar tudo bem, dadas as circunstâncias. É importante que as pessoas percebam que estamos todos na mesma situação, que percebam que não estão a passar por esta situação difícil sozinhos”.

“De facto, todo este panorama pandémico cria um sentimento de ansiedade, impotência e tristeza em todos nós. Tivemos que mudar totalmente as nossas rotinas e adaptarmo-nos a este novo normal. Apesar de todos os esforços para nos mantermos em casa, continuar a receber mensagens, através da comunicação social, de que os números de infetados e mortes ainda permanecem elevados, cria um sentimento de desencorajamento, ou seja, é desmotivador nato avistar o fim desta caminhada que já se afigura longa”, disse, reconhecendo que “toda a conjuntura atual, todas as noticias chocantes, toda a mudança ocorrida neste último ano, tem, inevitavelmente, consequências nefastas na saúde mental de todos”.

Fotografia: Zora – Movimento Associativo de Jovens Marconses

“É preciso alertar que se deve recorrer a um profissional de saúde, que é tão natural como uma visita ao dentista ou ao médico de família.  A ZORA, com esta atividade, tem essencialmente o objetivo de colocar os marcoenses em contacto com uma psicóloga, que responderá a todas as duvidas que têm. Pretendemos que chegue ao nosso publico as melhores dicas, dadas por uma profissional especializada, para que possamos passar por esta fase difícil de uma forma o menos penosa possível.”, afirmou.

Refira-se que esta iniciativa está agendada para este sábado, às 18 horas, conta com a presença de Ana Sofia Rocinha, psicóloga clínica e psicoterapeuta, e será  apresentada online através da página do facebook da ZORA.

Falando das doenças mentais e se a crise sanitária contribuiu fortemente para potenciar este tipo de doenças, Tânia Madureira defendeu que apesar de não ser especialista nesta área, nem existir qualquer estudo científico sobre o tema, a crise sanitária “contribuiu para instalar na comunidade um sentimento de medo”.

“Não sendo profissional de saúde, nem tendo uma formação ligada à área da saúde mental, não posso, de todo, responder afirmativamente. Além do mais, não tenho sequer conhecimento de nenhum estudo científico nesse sentido”.

Fotografia: Z O R A – Movimento Associativo de Jovens Marcoenses

“Na perspetiva de uma leiga, que é assim que me vejo quando a este tema, e como pessoa que se sente mentalmente afetada pela crise sanitária, posso afirmar que esta situação contribuiu para instalar na comunidade um sentimento de medo, sendo que tal, causa, inevitavelmente, repercussões na saúde mental e até na personalidade de cada um de nos.  Há o medo do desconhecido, o medo do que é incerto, o medo da infeção, o medo da crise económica, o medo de ver um familiar passar pelas situações horrendas que nos são descritas, de ver familiares falecer sem um último abraço ou adeus.  O processo de adaptação e de aprendizagem de algo que entrou na nossa vida de um momento para o outro é, evidentemente, difícil”, afiançou, sublinhando que estamos necessitados da rotina habitual.

“Acredito que todos sintamos falta da rotina habitual, dos afetos, do convívio, sendo que são características intrínsecas do ser humano, pelo que, assim sendo, é mais do que natural concluir que o confinamento e a pandemia afetam fortemente a saúde mental de todos.  Quanto à questão destes impactos serem classificados como potenciais originadores de doenças mentais, não me cabe a mim dar resposta mas é, de facto, uma excelente questão para colocar à Dra. Ana Sofia Rochinha”, expressou.

Questionada  se este é um fenómeno transversal e de que forma é que é possível agir e atuar perante esta situação, Tânia Madureira foi perentória: “uma vez mais, não posso afirmar com toda a certeza que seja um fenómeno transversal, dado que não tenho conhecimento de estudos científicos em que me possa basear para o declarar.  Contudo, é um dado adquirido que o Homem nasceu para viver em sociedade, e vive em sociedade para atender às suas carências. Neste momento, somos forçados, em razão da saúde pública, a ficar confinados nas nossas casas. Sendo inato ao Homem a necessidade de estar em relação, esta limitação de contato presencial com os demais, vai deixar marcas na saúde mental de todos, independentemente da parte do globo onde estejam.  Assim sendo, é necessário procurar ajuda, dicas, informações junto dos profissionais especializados, procurar saber quais as atitudes que podemos tomar no sentido de atenuar os efeitos deste isolamento.  Por fim, reforço a ideia de que a conversa com a Dra. Ana Sofia Rochinha será uma mais valia porque trará a resposta a esta questão que, certamente, nos ajudará a encontrar a melhor forma de lidar com esta situação”, avançou.

Já a direção do movimento em coordenação com o departamento de comunicação destacaram que a instituição tem como objetivos “ dinamizar o cenário cultural do Marco de Canaveses;  desenvolver projetos de envolvimento de jovens na comunidade;  promover a inclusão, participação e opinião dos jovens na comunidade e nos organismos públicos locais; prestar apoio ao desenvolvimento profissional dos jovens do concelho de Marco de Canaveses e promover a identidade e cultura local e regional, reforçando o sentido de pertença à mesma por parte dos jovens”.

São também objetivos da Zora “promover o diálogo e a discussão de ideias como base da união e envolvimento dos jovens na comunidade; estimular o desenvolvimento de competências soft e hard nos jovens com vista à sua mais eficaz inclusão na comunidade e no contexto profissional e desenvolver atividades de promoção do património cultural e natural, na ótica do desenvolvimento sustentável e inclusivo”.

A direção concretizou que a Zora atua em várias áreas e domínios.

“Atuamos em diversas áreas constituindo por isso departamentos focados no trabalho dessas mesmas áreas como é o caso de ambiente e sustentabilidade; desporto e lazer; ação social, saúde e solidariedade; arte e cultura; assuntos internacionais; educação e emprego; intervenção e política”.

Referindo-se às atividades já realizadas, o movimento destacou que além de palestras, promoveu exposições, ações de limpeza junto ao rio Tâmega, recolhas de alimentos, entre outras.

“Iniciamos a nossa atividade enquanto associação com uma sessão de cinema ao ar livre na Igreja de Sta Maria de Fornos, realizamos várias Riocuperações (ações de limpeza junto ao rio Tâmega) em Canaveses/Sobretâmega (2x) e Alpendorada – Parque de Lazer. Demos início ao Clube de Leitura que vai já na 3º edição,  várias exposições (do Send no Fluvial Loung, do Jorge Marques no Buffalos), Rap à Letra ( que reuniu vários rappers do concelho), algumas recolhas de alimentos, o quis marcoense, o #ZoraemCasa na altura de confinamento aos fins de semana, o #ZoraSugere, algumas parcerias com a Europe Direct no âmbito de palestras deles, organizamos as I Jornadas de Empregabilidade e promovemos um “banco” de recolha e empréstimo de computadores para alunos que necessitassem agora neste confinamento 2021. Mais detalhes seria melhor irem às nossas redes sociais porque foram tantas as atividades que é difícil resumir tudo”, avançou a direção, prometendo, para breve, apresentar algumas que pretende desenvolver.

“Fiquem atentos às nossas redes sociais que em breve iremos divulgar novas atividades nas várias áreas com as quais trabalhamos”, adiantou a direção em coordenação com o departamento de comunicação.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!