Novum Canal

mobile

tablet

Ministro das Finanças considera que evolução da economia contribuirá para dar confiança aos portugueses

Partilhar por:

O Ministro de Estado e das Finanças, João Leão,  disse, esta quarta-feira, numa mensagem vídeo que se encontra publicada na página oficial do Governo, a propósito da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2021 que “a evolução da economia e das finanças públicas contribuirá para dar confiança aos portugueses, demonstrando que o país está no bom caminho, e que segue uma trajetória segura e sustentável”.

João Leão realçou que surgimento com “sucesso” das vacinas para a covid-19 irá criar “cria as condições para uma forte recuperação da economia em 2021”.

“Já foi promulgado o Orçamento de Estado para 2021. O contexto atual é de grande exigência: por um lado, e no imediato, a 2º vaga está a ser muito intensa pelo que se antecipa um inverno bastante exigente. Mas por outro, o surgimento com sucesso das vacinas para a covid-19, permite antecipar uma evolução favorável da pandemia ao longo do próximo ano, o que cria as condições para uma forte recuperação da economia em 2021”, disse, sustentando que já é possível  ver a luz ao fundo do túnel.

“Já conseguimos ver a luz ao fundo do túnel, mas ainda o temos de atravessar. Este orçamento foi preparado para ajudar o país a fazer face aos efeitos da Covid-19 e tem três grandes prioridades: combater a pandemia; proteger o rendimento dos portugueses e proteger o emprego e recuperar a economia”.

O governante avançou que o Governo reforçou o Serviço Nacional de Saúde com mais de 1000 milhões de euros para “contratar mais de 4500 profissionais de saúde, comprar vacinas, equipamentos de proteção individual, e abertura de novas camas e proceder ao investimento nos centros de saúde e na aquisição de equipamentos hospitalares.

João Leão manifestou que a segunda grande prioridade do Orçamento é a proteção e melhoria dos rendimentos dos portugueses.

Fotografia: Página Oficial do Governo

“Assim, já a partir do próximo mês de janeiro: o salário mínimo nacional vai aumentar 30 euros, fixando-se nos 665 euros, dois milhões de pensionistas vão receber um aumento extraordinário de 10 euros”, sustentando que  ”vão ser reduzidas as taxas de retenções na fonte de IRS, aumentando o rendimento disponível dos portugueses no valor de 200 ME em 2021”.

O responsável  pela pasta das Finanças declarou que  os “portugueses receberão a primeira fatura eletricidade com uma taxa inferior do IVA, uma poupança anual de 150 milhões de euros”, salientando que o Orçamento do Estado para 2021 tem também como preocupação central de “não deixar ninguém para trás”, tendo sido reforçada a proteção social, “com uma nova prestação social, de caracter extraordinário, para os trabalhadores que perderam os seus rendimentos em consequência da pandemia”.

O ministro garantiu que o “subsídio de desemprego será prolongado por mais seis meses para quem perca o acesso a este subsídio durante o ano de 2021 e o seu limite mínimo aumentado de 438 euros para 504 euros”, tendo o  Governo procedido ao alargamento das creches gratuitas até 2º escalão de rendimentos, garantindo que 65 mil crianças beneficiem de creche gratuita”.

João Leão concretizou que a “proteção do emprego e a recuperação da economia é a 3º grande prioridade”, estando previsto um conjunto de medidas “muito ambiciosas de dinamização da atividade económica; de apoio ao emprego e manutenção da capacidade produtiva das empresas: o programa de layoff de apoio à manutenção do emprego será alargado até ao final do 1º semestre, ajudando as empresas a suportar parte dos salários, enquanto os trabalhadores passarão a receber 100% do seu salário”.

O governante na sua mensagem vídeo recordou que o “Programa Apoiar e o de apoio ao pagamento das rendas tem disponível um valor superior a 2000 milhões de euros para apoiar as empresas em dificuldades devido à pandemia a suportar custos fixos, as moratórias bancárias vão vigorar até setembro; as empresas têm à sua disposição linhas de crédito com garantias de Estado até 6 mil milhões de euros”, sendo concedido um “crédito fiscal Extraordinário de Investimento de 20% em IRC” e o “investimento público deverá aumentar mais de 23%, dando um papel decisivo para a recuperação da economia”.

O Ministro de Estado e das Finanças esclarece, também, que entrará em execução o programa de recuperação europeu.

“Estas medidas vão dar um contributo fundamental para uma forte recuperação da economia. E dessa forma também para a redução do défice e da dívida pública. Esta evolução da economia e das finanças públicas contribuirá para dar confiança aos portugueses, demonstrando que o país está no bom caminho, e que segue uma trajetória segura e sustentável. Este é o bom orçamento. O orçamento de que Portugal precisa para conseguir superar esta crise”, disse.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!