Novum Canal

mobile

tablet

Lousada e Paços de Ferreira descem de nível de risco

Partilhar por:

Os concelhos de Lousada e Paços de Ferreira desceram  de nível de risco, passando de risco “muito elevado” para “elevado”, confirmando a tendência descrente registada e apontada  pelos últimos indicadores.

Segundo a Direção-Geral de Saúde (DGS), no que toca a incidência cumulativa a 14  dias (07/12/2020 a 20/12/2020), Lousada registou 419 casos por 100 mil habitantes, tendo Paços de Ferreira registado 395 casos.

Penafiel registou 507 casos, Paredes, no mesmo intervalo, registou 594, Felgueiras 530 e Castelo de Paiva 343.

Os concelhos de Gondomar e Valongo registaram 570 e 515 novos casos respetivamente.

O Marco de Canaveses passou para 705, Baião para 597, tendo Arouca registado, Arouca 584 e Cinfães 554 por 100 mil habitantes.

Resende e Lamego têm 474 e 787 respetivamente.

Já Vila Real e Peso da Régua registaram 727 e 843 casos. Alijó registou 424 novos casos.

Numa reação aos números apresentados para o concelho de Lousada, o  vereador com o pelouro da Saúde, Nélson Oliveira, relevou, na sua página pessoal, a recuperação registada pelo município, fazendo com que o município tenha sido um dos concelhos com menos casos em todo o distrito do Porto.

Na mesma publicação, o autarca não poupou nas críticas à comunicação social nacional que quando Lousada e Paços de Ferreira estavam no topo dos infetados foram alvo de constante atenção por parte dos media, mas, agora, que os dois territórios apresentam uma inversão de números, nem uma linha escreveram sobre o assunto.

“Quando Lousada e Paços de Ferreira estavam no topo dos infetados, a comunicação social nacional veio em força e diariamente para os nossos territórios, espalhar o cenário quase culpabilizante e dantesco da região. Eram diretos, entrevistas, alertas e notícias de última hora. Quando conseguimos esta recuperação assinalável, tornando-nos dos municípios com menos casos em todo o distrito do Porto, não se escreve uma linha. Não há uma reportagem sobre o que foi conseguido, com muito esforço, pela nossa população. Nada!” disse.

O responsável pela pasta da Saúde da autarquia lousadense manifestou que o “ controlo da pandemia é sempre mais simples em regiões pouco concentradas, sem um tecido industrial forte e pujante (onde é possível o teletrabalho) ou com poucas tradições familiares. Não é o caso dos nossos territórios e por isso é tão difícil este combate que felizmente estamos a conseguir levar a cabo”.

“Um bem-haja à comunicação social regional pelo seu trabalho de informação”, acrescentou na mesma publicação apelando “ao esforço de contenção e cautela a todos os cidadãos, mesmo sendo previsível, segundo a DGS, de um aumento de casos dados os convívios familiares nesta quadra natalícia. Contem connosco para ajudar a ultrapassar esta situação”.

O vereador e vice-presidente da Câmara de Paços de Ferreira, Paulo Ferreira, aproveitou, também, a sua página pessoal, para realçar o facto do concelho ter registado uma descida acentuada de casos por 100 mil habitantes, nos últimos 14 dias, colocando o município numa nova redução de risco de contágio.

“De acordo com o boletim publicado hoje pela Direção-Geral da Saúde, o concelho de Paços de Ferreira volta a descer um nível no risco de contágio, passando de “muito elevado” para “elevado”. Neste momento, a incidência cumulativa a 14 dias é de 395 casos por 100 mil habitantes. Na semana passada o número era de 508. Paços de Ferreira continua a ser o concelho do distrito do Porto com o menor índice de contágio por 100 mil habitantes, prosseguindo com a redução de novos casos iniciada há algumas semanas atrás”, referiu, sustentando que “estes dados disponibilizados pela DGS são utilizados pelo Governo para determinar os níveis de risco de contágio e as respetivas medidas de contenção”.

“Assim, mantendo-se estes números, o concelho de Paços de Ferreira poderá ver reduzidas as medidas atualmente em vigor, designadamente o recolher obrigatório ao fim de semana, entre as 13h e as 05 horas, já na próxima revisão dos mapas de risco. Esta alteração não se aplicará entre os dias 31 de dezembro e 4 de janeiro, atendendo a que, em todo o país, foi decretado o recolher obrigatório”, afiançou, enaltecendo o esforço dos munícipes pela forma exemplar como “têm cumprido com as regras de prevenção em vigor”.

O autarca apelou, ainda, ao cumprimento das regras e diretrizes definidas pelas autoridades de saúde.

A nível nacional, o país registou mais 2 093, mais 58 óbitos, e mais 1 936 recuperados.

Por regiões, o Norte registou mais 907 e mais 19 mortes, Lisboa e Vale do Tejo, mais 669, e mais 20 óbitos, enquanto a região Centro registou mais 296 casos confirmados e mais 14 óbitos.

O Alentejo registou mais 101 novos casos e mais dois óbitos e o Algarve mais 57 casos e mais três óbitos.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!