Novum Canal

mobile

tablet

Entregues últimas três habitações das dez que foram destruídas no incêndio de 2017

Partilhar por:

Fotografia: Câmara de Castelo de Paiva

O município  de Castelo de Paiva procedeu, esta segunda-feira, à entrega das últimas três habitações, das dez que foram destruídas pelo incêndio de 2017 que afetou Castelo de Paiva.

O município, em mensagem publicada na sua página  oficial, salienta que foi cumprida a promessa e foram entregues antes do dia de Natal mais três casas devidamente reconstruídas e que vão garantir que os agregados, em causa, voltem a ter condições de habitabilidade

“O executivo municipal mostra-se satisfeito por estas habitações tenham sido recuperadas, permitindo que estas famílias, que viveram um período difícil após a tragédia, voltem a ter condições de habitabilidade e ganhar alegria de viver, prosseguindo com as suas vidas com mais esperança e dignidade e voltem a ter o conforto de um lar na sua terra”, lê-se na publicação que a autarquia partilhou na sua página oficial.

A entrega das habitações contou com a presença do presidente da Câmara de Castelo de Paiva, Gonçalo Rocha, em mais um momento simbólico marca o culminar de um processo gerido pela CCDR-N, no contexto do Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente (PARHP) e que contou  com a colaboração da autarquia local.

Fotografia: Câmara de Castelo de Paiva

Refira-se que já em outubro deste ano, o chefe do executivo municipal tinha entregue três habitações ( na freguesia de Santa Maria de Sardoura e na União de Freguesias do Couto Mineiro do Pejão), de um total de dez que foram destruídas no território, tendo garantido que até ao final do ano procederia à entrega das restantes habitações, ainda em fase de conclusão /acabamentos.

À data, o autarca paivense realçou que a reconstrução das habitações constituía o virar da página para as pessoas que viram as suas habitações e bens afetados, assinalando o investimento estatal, o envolvimento neste processo da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte (CCDRN) e da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, que garantiu aos agregados familiares atingidos pela tragédia, o acompanhamento e apoio de que necessitavam, enquanto as suas casas eram intervencionadas.

Gonçalo Rocha recordou que o investimento governamental incidiu sobre a elaboração de projetos, as obras em si e o apetrechamento das moradias que foram reconstruídas.

Recorde-se que, o Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente (PARHP) é uma medida aprovada pelo Governo destinada a apoiar as pessoas singulares e os agregados que viram as suas habitações danificadas ou destruídas por incêndios ocorridos naquele ano, em vários concelhos das regiões Norte e Centro do país.

“Ao todo, nesta intervenção, no âmbito do PARHP, são uma dezena de habitações totalmente reconstruídas, num investimento de cerca de 1 milhão de euros”, referia à altura a autarquia paivense que constava que o concelho de Castelo de Paiva foi, na Região do Norte, “o mais fustigado pelos incêndios de 2017”.


Partilhar por:

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Receba todas as novidades!

Subscreva a nossa Newsletter

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS!

Ajude o Jornalismo Regional

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2
Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Obrigado!

Estamos a melhorar por si.
Novum Canal, sempre novum, sempre seu!