Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Concelhias do PSD da região dizem estar preocupadas com “falta de capacidade de resposta do CHTS”

As concelhias do PSD do Tâmega e Vale do Sousa afirmaram  estar preocupadas com “falta de capacidade de resposta do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa” e exigem ao Governo compromisso de investimento em obras de ampliação do CHTS utilizando fundos europeus.

Em comunicado enviado aos órgãos de comunicação social, as concelhias do PSD da região reconheceram que a situação no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) é “crítica”, salientando que o “esvaziamento das urgências através da transferência de doentes para outras unidades hospitalares da região Norte e Centro” apenas “mascara” o problema.

“A situação no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa é crítica. A recente solução de esvaziamento das urgências através da transferência de doentes para outras unidades hospitalares da região Norte e Centro apenas mascara temporariamente a situação de caos e desespero que se tem vivido nas últimas semanas e meses”, afirmam.

As concelhias do PSD do Tâmega e Sousa (PSD/Amarante; Baião; Felgueiras; Lousada; Marco de Canaveses; Paços de Ferreira; Paredes e Distrital do Porto) acusam o Governo de ter “ignorado os problemas que se vinham a agravar, ano após ano, no Centro Hospitalar Tâmega e Sousa”.

“Um Governo responsável sabe que, como diz o velho ditado popular, “é em dias de sol que se conserta o telhado”. E este Governo, com o silêncio conivente de autarcas Socialistas da região, ignorou os problemas que se vinham a agravar, ano após ano, no Centro Hospitalar Tâmega e Sousa. Sendo evidente que ainda não colapsou apenas pelo esforço sobre-humano e pela dedicação dos profissionais que ali trabalham, ignorados pelo Governo”, lê-se no mesmo comunicado.

Na nota de imprensa, os sociais-democratas do Tâmega e Sousa recordam que o “Hospital de São Gonçalo, em Amarante, está, desde a sua inauguração, escandalosamente subdotado de valências e de recursos materiais e humanos”

“O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa é constituído por dois hospitais. No entanto, sabemos que o Hospital de São Gonçalo, em Amarante, está, desde a sua inauguração, escandalosamente subdotado de valências e de recursos materiais e humanos. Sabemos, todos, que o Hospital Padre Américo, está, desde há muitos anos, a trabalhar em sobrecarga e que nem por esse motivo foi reforçada a capacidade de resposta em Amarante, onde as instalações estão claramente desaproveitadas e poderiam fazer a diferença no contexto do Centro Hospitalar”.

As concelhias laranjas avisam que “há mais de dois anos que o PSD tem publicamente repetido a exigência de reforço dos meios técnicos e humanos neste Centro Hospitalar”.

“Há mais de dois anos que o PSD tem publicamente repetido a exigência de reforço dos meios técnicos e humanos neste Centro Hospitalar, seja no Parlamento, seja através dos seus presidentes de Câmara, seja pelas suas estruturas concelhias do PSD de Amarante, Baião, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Entre estes momentos, conta-se a apresentação e aprovação por unanimidade e, portanto, com votos favoráveis dos Deputados do Partido Socialista, do Projeto de Resolução n.º 1427/XIII, instando o Governo a resolver de forma urgente estes problemas. Essa resolução unânime do Parlamento foi totalmente ignorada pela Ministra da Saúde e por todo o Governo”, referem, sustentando que perante os sucessivos apelos, nada foi feito.

“E os autarcas e deputados Socialistas da região vão-se mantendo envergonhadamente calados, compactuando com a falta de ação do Governo nesta matéria”, afirmam.

O PSD do Tâmega e Sousa relembra, também, que existe um projeto aprovado, para obras de ampliação do serviço de Urgência, que continua a aguardar na secretaria do Ministro das Finanças, por autorização.

“Cabe-nos ainda recordar que existe um projeto aprovado, para obras de ampliação do serviço de Urgência, mas que continua a aguardar na secretaria do senhor Ministro das Finanças por autorização. Entretanto, milhares de doentes e seus familiares esperam e desesperam. Infelizmente, esta pandemia só veio agudizar e pôr a descoberto aquilo pelo qual há muito as nossas populações reclamam e que o PSD tem vindo a denunciar”, refere a nota de imprensa que adverte que  a tanto a visita recente do primeiro-ministro, António Costa, a Paços de Ferreira, como da Ministra da Saúde, ao CHTS “nada trouxe de novo”.

“O Primeiro-ministro António Costa esteve na região há duas semanas para dar um “puxão de orelhas” aos seus autarcas, mas nada fez em concreto para resolver este problema. Ontem, foi a vez da Ministra da Saúde visitar o CHTS, mas também nada trouxe de novo. Desta forma, as estruturas do PSD dos concelhos do Vale do Sousa e do Tâmega exigem uma resposta capaz e um compromisso público do Governo com o reforço urgente de meios para este Centro Hospitalar”, sustenta o PSD que exige “que, no âmbito dos “fundos europeus que chegarão ao país nos próximos meses, o primeiro-ministro assegure que será realizado um forte investimento na ampliação e reorganização do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, adequando a capacidade de resposta desta infraestrutura às necessidades da região”.

“Não baixaremos os braços até que estas legítimas reivindicações sejam atendidas pelo Governo da República, assim como desafiamos os Autarcas e Deputados da região, de todos os partidos políticos, inclusive do Partido Socialista, a associarem-se de verdade a esta causa que nos deve unir a todos, exigindo ao senhor Primeiro-ministro a merecida atenção a esta região e à saúde dos seus habitantes. Urge dar uma resposta às nossas populações!” confirmam as concelhias PSD na região do Tâmega e Vale do Sousa.

Refira-se que recentemente o CHTS informou, em comunicado que endereçou aos órgãos de comunicação social, que depois do pico máximo de doentes internados que o Padre Américo chegou a registar, o CHTS adotou várias medidas no sentido de minimizar as infeções por Covid-19, nomeadamente “colaboração regional para transferir doentes para outros hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) da região, nomeadamente para o Hospital Militar, bem como para outras instituições do sector social e cooperativo, apoio do Instituto de Emergência Médica (INEM) que, com a instalação do hospital de campanha, permitiu agilizar melhor circuitos dentro da urgência numa fase crítica que chegou a atingir 800 atendimentos diários, números superiores aos atingidos nos picos da gripe”.

O CHTS garantiu que entrou em funcionamento uma “estrutura exterior de apoio à urgência, com cerca de 500 m2, que ficará de modo definitivo ali instalada para auxiliar permanentemente o já habitual grande movimento na 2ª maior urgência do Norte do país, foi  instalado, em terreno cedido pela Câmara Municipal de Penafiel, à entrada do Hospital, um drive-thru para a realização de testes COVID que permitirá um serviço adicional à população e ao mesmo tempo reduzir de modo significativo o afluxo inapropriado aos serviços de urgência, libertando este serviço para o atendimento dos doentes verdadeiramente urgentes”.

O CHTS esclareceu, também, que ao longo de todos estes meses de existência da pandemia por COVID-19, procedeu a contratações de mais de 150 nos diversos grupos profissionais.

“O Centro Hospitalar está ciente do empenho, dedicação e profissionalismo dos seus colaboradores num momento sem igual na história da instituição e tudo temos feito, e continuaremos a fazer, para que seja possível dar resposta à população, num pico de uma pandemia que não é uma situação normal. O país, a região e o mundo vivem momentos de grande complexidade na gestão desta pandemia, mas tudo faremos para salvaguardar os cuidados de saúde à população, bem como dotar os profissionais de todos os meios para se combater um cenário que é de grande pressão, fruto de uma pandemia que atinge toda a humanidade”.

O Novum Canal contactou a Federação Distrital do PS Porto, mas até ao momento não obteve qualquer “feedback” da estrutura socialista.