Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Clínica de hemodiálise nasce no antigo Hospital de Lamego

Fotografia: Misericórdia de Lamego

O edifício que acolheu os serviços de ortopedia e cirurgia do antigo Hospital Distrital de Lamego está a ser transformado numa clínica de hemodiálise, com capacidade para cerca de 30 postos de tratamento.

Segundo a Misericórdia de Lamego, a nova infraestrutura vai solucionar uma das “graves carências do concelho de Lamego e do Douro Sul na área da saúde que é a inexistência de tratamentos de hemodiálise, o que obriga os doentes renais crónicos da região a deslocações dispendiosas aos concelhos do Peso da Régua e de Vila Real”.

Citado em comunicado, António Marques Luís, Provedor da Misericórdia de Lamego, instituição proprietária do imóvel, congratulou-se com a realização deste investimento que surge na sequência de um acordo estabelecido com uma firma privada da zona do Porto.

“A Santa Casa alugou este espaço durante 19 anos, com a possibilidade de ser renovado por mais 10, com vista à criação da futura clínica. As receitas que decorrerão deste acordo vão ajudar esta instituição de solidariedade social a atingir o ambicionado equilíbrio financeiro e a reforçar a sua componente de assistência social”, explicou, salientando que este novo investimento terá a capacidade de melhorar a qualidade de vida dos doentes com insuficiência renal e criar emprego qualificado.

Fotografia: Misericórdia de Lamego

“A futura clínica de hemodiálise deve entrar em funcionamento em 2021 e estará equipada com tecnologia inovadora, disponibilizando aos doentes e às equipas de saúde as melhores condições para as suas atividades e tratamentos diários”, refere o comunicado que nos foi enviado que esclarece “que a hemodiálise “limpa” o sangue com um processo que é realizado fora do corpo. Neste tratamento, o sangue passa num filtro (dialisador) que remove os resíduos e os líquidos. A duração de cada tratamento é, em média, de 4 a 5 horas e tem de ser realizado, no mínimo, três vezes por semana”.