Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Presidente da Câmara de Paredes confirmou que construção do Pavilhão das Laranjeiras decorre em bom ritmo

Fotografia: Câmara de Paredes

O presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida, avançou, esta manhã, à margem da inauguração do multiusos de Astromil, que a construção do Complexo das Laranjeiras decorre em bom ritmo.

Referindo-se ao Pavilhão das Laranjeiras, o autarca esclareceu que a obra estará a cerca de 30 a 40% da sua conclusão.

“Está dentro daquilo que era previsto. Neste momento, estará a cerca de 30 a 40% da sua conclusão. Estamos a fazer a parte que demora mais tempo, os muros suporte na parte de trás e estamos a colocar as primeiras lajes dos novos balneários. Foi necessário fazer a demolição, tendo em conta que tivemos de rasgar bancadas e muito em breve irá iniciar a cobertura do pavilhão. Até ao final do ano, o pavilhão já vai estar com outro aspeto porque vai ficar coberto e os primeiros cinco, seis meses de 2021 vai ser para aquilo a que chamamos especialidades, a questão elétrica, águas e saneamento, o Avac, climatização, que são partes que dão muito trabalho, mas o grosso já vai estar feito”, expressou.

Fotografia: Câmara de Paredes

Questionado da importância desta estrutura para a promoção do desporto na cidade e no concelho, o  chefe do executivo expressou que depois de concluído, as modalidades como o hóquei em patins, que conseguiu a subida à segunda divisão nacional e iniciou este sábado o arranque da prova, encontrará neste equipamento um espaço com todas as condições para a prática da modalidade, o mesmo acontecendo relativamente a outras.

“O União Sport Clube de Paredes conseguiu atingir a meta de chegar à segunda divisão nacional de hóquei em patins, treina e joga no pavilhão da EBS de Paredes, mas não tenho dúvidas nenhumas que muitos dos jogadores desejam jogar no pavilhão das Laranjeiras como sucedeu no passado, com grandes glórias que por ali passaram. É tudo isto que nos motiva a terminar a obra o mais depressa possível”, atalhou.