Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Órgãos sociais do FC da Lixa demitem-se em bloco

Os órgãos sociais do FC da Lixa demitiram-se em bloco, na sequência das agressões de que o presidente demissionário, Hugo Reis, diz ter sido alvo, este domingo,  durante o intervalo, no jogo entre o FC da Lixa e o Vila Meã, da jornada inaugural, da Divisão de Elite, da Associação de Futebol do Porto.

Em comunicado que se encontra publicado na página oficial do clube, a mesa da Assembleia-Geral do FC da Lixa informou que ​após reunião extraordinária da Mesa da Assembleia-Geral e o desenrolar dos acontecimentos verificados no domingo “antes, durante e após o jogo que opôs a nossa equipa Sénior A ao A. C. de Vila Meã”, decidiu demitir-se, uma decisão extensiva a todos os órgãos sociais.

“Decidiu esta Mesa, considerando que tais acontecimentos culminaram com a demissão em bloco da Direção, alegando não reunir as mínimas condições para continuar a gerir os destinos do Clube e  em face do ambiente criado de violência física e verbal, bem como de ameaças e intimidação a vários elementos da Direção e ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, a totalidade dos seus elementos apresentaram a sua demissão, extensiva a todos os órgãos sociais”.

A Mesa da Assembleia-Geral demissionária esclareceu, também, que a Assembleia Geral agendada para o próximo dia 25-09-2020 terá como ponto único a eleição dos novos corpos sociais.

“Assim, convidam-se, desde já, todos os sócios a que se unam em torno do nosso Clube e apresentem uma alternativa. Mais se informa que, tendo em conta o momento que o Clube atravessa, a apresentação de contas e eventual discussão sobre a alteração dos Estatutos serão apreciados e votados em Assembleia a agendar posteriormente”, lê-se no comunicado.

Já Hugo Reis, presidente demissionário do FC da Lixa, também, num comunicado que partilhou na página oficial do clube declarou, numa longa exposição, as razões que o levaram a aceitar o desafio de integrar uma lista para a presidência do clube.

“ Após a demissão do anterior presidente, fui convidado para assumir a Presidência do FC Lixa por ser uma pessoa “neutra” e com muitos amigos na “oposição”. Após decidir aceitar o cargo, telefonei à “oposição”, expliquei lhes as minhas ideias. Tinha consciência que estava a entrar numa “bomba-relógio” que quem aqui entra passa a ser um “mal amado”; Em relação as críticas da “oposição” ao Albino Lopes, nunca poderei falar mal de um homem, que ao contrário que muitos pensam, quando era preciso o FC Lixa pagar alguma despesa, ele arranjava sempre o dinheiro para o fazer, mesmo quando as nossas contas estavam vazias”, disse, salientando que quanto às críticas feitas sobre a falta de pagamento aos atletas, o acordado era que o pagamento seria efetuado, todos os meses entre o 15 e o 20 de cada mês.

“Em relação à última crítica feita a esta direção, sobre a falta de pagamento aos atletas, o acordado entre a direção e os atletas, no início de época a 15 de Agosto, foi que o pagamento seria efetuado, todos os meses entre o 15 e o 20 de cada mês. A atual direção tinha um empréstimo financeiro negociado de 25 mil euros, de forma a garantir dinheiro necessário até receber a verba da CMF em Fevereiro do próximo ano. Após o incidente de ontem, esse operação financeira fica sem efeito”, declarou.

“Impensável uma equipa como o FC Lixa ter das piores camadas jovens do Vale do Sousa, assim como ter “apenas” 100 miúdos na formação”

Hugo Reis, no mesmo comunicado, avançou que tinha um projeto para o clube que passava pela restruturação e organização das camadas jovens, o aumento considerável de números sócios e integrava outra propostas.

“O meu projeto para FC Lixa, em três anos, com um mandato de 2020-2021, e depois com atualização e alteração dos estatutos, a direção eleita ficar dois anos em vigor e não apenas um, o projeto seria: restruturação e organização das camadas jovens. Impensável uma equipa como o FC Lixa ter das piores camadas jovens do Vale do Sousa, assim como ter “apenas” 100 miúdos na formação. A ideia passava para aumentar para 250 a 300 miúdos para se tornar financeiramente estável e depois poder sonhar dar outras condições aos miúdos; aumento considerável de números sócios. Atualmente são perto de 500 sócios onde pouco mais de 100 são pagantes; a loja on-line e física com merchandising do clube de forma a que as pessoas da Lixa tivessem forma e orgulho de vestir a camisola do clube da sua terra”.

O presidente demissionário manifestou, também, que o seu projeto passava por “dar condições mínimas a equipa B com interligação a equipa A de forma a permitir que a equipa B estivesse na divisão mais próxima possível da equipa A. Na equipa A, a ideia seria a estabilização financeira e depois a médio prazo pensar em algo mais consistente”.

Falando do que se passou no Senhor do Amparo, no domingo passado, Hugo Reis referiu: “O pior de toda a situação do dia de ontem, não foram as marcas físicas do ato em si, mas sim, a atitude vindo de uma pessoa que é minha conhecida e amiga do peito desde de criança, onde partilhamos a formação do FC Lixa juntos e tenho grande estima e consideração sempre que sempre o defendi como uma mais-valia dentro da atual direção”, frisou, reconhecendo que,  neste momento, o FC Lixa está num vazio diretivo.

“A mesa da assembleia geral demissionária, irá lançar um comunicado ainda no dia de hoje (21 de setembro), a explicar os procedimentos para se marcar uma assembleia geral de eleições dos novos órgãos sociais assim como é que devem ser feitas as listas; Foi uma honra ter sido presidente desta enorme instituição com 86 anos de história, foram 71 dias que ficará gravado na minha memória; Está na hora, de todos os críticos, se unirem e assumir o comando do FC Lixa, têm a oportunidade que tanto queriam e tanto pediram, podem assumir. Espero que sejam capazes de não deixar acabar o clube. Por fim, após o comunicado de ontem, deixa-me triste, muito triste ler comentários de pessoas que até considerava meus amigos, a duvidar desta agressão, assim como a insultar-me. É triste quando não se percebe que há limites que não podem ser ultrapassados.  Para mim, é o fim de linha”, atalhou, sustentando que irá continuar a ser lixense.

“Com raízes e família na cidade da Lixa, mas que se entristece com tanto comentário “sem noção” de tanta gente que se diz da Lixa e não tem 5€/mês para ajudar o clube. Um até já FC Lixa do teu sócio número 477, patrocinador, ex-treinador e ex-atleta.  Foi uma honra”, referiu na mensagem que partilhou na página oficial do clube.