Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Etar de Arreigada deverá entrar em funcionamento no final de Agosto

Fotografia: Nuno Serra

O vice-presidente da Câmara de Paços de Ferreira referiu, em declarações  ao Novum Canal, que a Etar de Arreigada deverá entrar em funcionamento  no final deste mês.

O vereador responsável pela pasta do Ambiente da Câmara de Paços de Ferreira já tinha feito alusão ao tema, depois de ter sido inquirido por um munícipe sobre a entrada em funcionamento da infraestrutura, na última assembleia municipal extraordinária, que decorreu  nos Paços do Concelho.

O autarca explicou que a obra está concluída, mas divido à crise sanitária e ao facto de Portugal constar na lista de países que enfrentam limitações por causa da pandemia, esta situação impediu que  a empresa e os técnicos austríacos responsáveis pela entrada em funcionamento do equipamento não tivessem procedido à colocação das membranas que são usadas para tratamento e que vão permitir o funcionamento da Etar.

O vice-presidente da autarquia pacense declarou que, entretanto, o município efetuou todas as diligências com a empresa austríaca no sentido de proceder a algumas alterações ao que tinha sido contratualizado no sentido da monitorização e a testagem passar a ser feita por controlo remoto, o que, admitiu, irá levar mais algum tempo.

Ao Novum Canal, Paulo Ferreira destacou, ainda, que esta semana efetuou uma visita aos equipamentos da Etar, mostrando-se convicto que com a entrada em funcionamento do tanque de tratamento biológico, ficará resolvido um problema que tem vários anos, que nunca foi solucionado, ficando a Etar de Arreigada a funcionar com o material que mais de moderno existe neste domínio.

A este propósito, o vereador do Ambiente recordou que a Etar está já a fazer o tratamento primário e o tratamento das lamas, faltando apenas entrar  em funcionamento do tanque de tratamento biológico.

Na internet, na página “Mataram o Rio Ferreira” são várias as denúncias e os apelos para que as autoridades terminem com o que designam por “cheiros nauseabundos” e um atentado ao ecossistema do Rio Ferreira, colocando em causa a saúde pública das povoações banhados pelo rio.

Fotografia: António Cunha