Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Câmaras do Vale do Sousa avançam com remoção do amianto nas escolas

Fotografia: Câmara de Paredes

As câmara do Vale do Sousa vão avançar com a remoção do amianto em vários estabelecimentos de ensino da região, de acordo com o Diário da República, 2.ª série, n.º 120, 23 de junho de 2020 que identifica equipamentos escolares para intervenções de remoção e substituição do amianto.

A nível nacional são 578 as escolas que vão ser intervencionadas  para a remoção do amianto, no âmbito de programa orçado em 60 milhões e financiado com verbas da União Europeia.

Segundo o Governo, o programa prevê a remoção de todas as estruturas com amianto nas escolas públicas, respondendo definitivamente a uma preocupação de saúde pública.

 No âmbito da eliminação deste material nos estabelecimentos escolares, foi realizado um  diagnóstico e identificação das escolas públicas que permitiu identificar a presença de coberturas constituídas por placas de fibrocimento com amianto na sua composição, tendo sido posteriormente publicada a lista de equipamentos escolares a intervencionar.

Em Paredes, serão contemplados com a retirada das placas de fibrocimento a Escola Básica de Cristelo, Escola Básica e Secundária de Paredes, Escola Básica e Secundária de Sobreira, Escola Básica e Secundária de Vilela, Escola Secundária Daniel Faria, em Baltar, e Jardim de Infância São Marcos, em Rebordosa.

Segundo a autarquia, a intervenção incide na rede de estabelecimentos da rede pública de educação pré-escolar, ensino básico e ensino secundário.

Ainda de acordo com  o município, a câmara “aproveitou as pausas letivas de férias escolares e a paragem das aulas presenciais devido à pandemia da Covid-19 e já retirou o amianto dos passadiços da Escola Básica e Secundária de Vilela, da Escola Secundária Daniel Faria e da cobertura do Jardim de Infância de São Marcos”.

Fotografia: Câmara de Castelo de Paiva

Refira-se ainda que as “Escolas Básica e Secundária de Rebordosa e de Lordelo encontram-se em obras de requalificação e ampliação, tendo  as coberturas de amianto nestas escolas foram retiradas durante as férias de Natal, em 2019, para acautelar a saúde de toda a comunidade escolar e para que as coberturas de fibrocimento fossem removidas com todas as condições de segurança”.

Em Lousada, a remoção do amianto vai contemplar a Escola Básica de Lagoas, em Nevogilde, e Escola Básica de Mós, em Silvares.

Ao Novum Canal, o vereador do pelouro, António Augusto, revelou que é intenção do governo, expressa no despacho publicado, mobilizar os recursos financeiros de imediato de forma estimular a recuperação económico-social e a criação de emprego, respondendo deste modo à pandemia da COVID-19.

“Contudo, existem processos de candidatura e de contratação de serviços que têm prazos estabelecidos que possivelmente demorarão alguns meses até estarem concluídos”, disse, salientado que após o início dos trabalhos a execução é relativamente rápida.

“Apesar de ter que ser articulada com as escolas, para que o processo de remoção das placas, não seja síncrono com a presença da comunidade escolar”, avançou, sustentando que este era um desiderato há muito reivindicado.

“Sim é verdade, e já foram feitas algumas intervenções como é o caso da Escola Básica e Secundária de Nevogilde, à cerca de 2 anos, e da EB 2,3 de Lousada Centro (Cristelos) em curso”, acrescentou.

Quanto aos materiais vão ser colocados em vez das coberturas constituídas por placas de fibrocimento, o autarca esclareceu que serão materiais que para além da função de impermeabilização terão também ganhos muito significativos em termos térmicos.

Em Paços de Ferreira, as escolas abrangidas serão três. Além da Escola Básica de Frazão, estão previstas intervenções na Escola Básica de Paços de Ferreira e Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Pinto de Vasconcelos (Freamunde).

Já em Penafiel, a única escola que será intervencionada é a Escola Básica de Penafiel Sudeste.

No município de Felgueiras, são cinco as escolas que serão alvo de intervenção.

Além da Escola Básica 2 e 3 D. Manuel Faria e Sousa, o município irá avançar com obras na Escola Básica e Secundária de Idães, Escola Básica Dr. Leonardo Coimbra, Escola Básica de Lagares, Escola Básica e Secundária de Airães, num investimento de cerca de 5,2 milhões de euros.

Segundo o site da autarquia, o município irá retirar o amianto de todas as escolas básicas e secundárias do concelho, até ao final do ano letivo 2020/2021.

Além da retirada do amianto, as obras irão permitir criar melhores condições térmicas e de mobilidade.

Em Castelo de Paiva, as escolas que sofrerão obras de remoção do amianto são a EB 1 de Casal da Renda, Eb 1 de Pereire, EB 1 da Póvoa, EB 1 da Raiva, EB 1 de Serradelo, EB 2.3 de Sobrado e Jardim de Infância da Ladroeira.

Em comunicado, o presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, Gonçalo Rocha, congratulou-se com a decisão governativa de avançar com esta operação que abrange escolas do concelho, salientando que esta era uma reivindicação antiga e uma grande preocupação de saúde pública que motivava protestos da nossa comunidade escolar.  

Citado em comunicado, o autarca paivense confirmou, também, que a utilização de fibras de amianto foi proibida no quadro normativo nacional em 2005 e, até agora, os investimentos na requalificação e modernização de escolas permitiram proceder gradualmente à remoção de parte deste material, que ainda não foi totalmente eliminado dos estabelecimentos de ensino.