Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Líder da bancada do PSD e presidente da Junta de Freguesia de Louredo envolvem-se em troca de palavras

O líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal de Paredes, Soares Carneiro,  e o presidente da Junta de Freguesia de Louredo, José Borges, envolveram  numa troca de palavras, este sábado,  antes do período da ordem de trabalhos, em pleno plenário que decorreu no Centro Escolar de Paredes.  

O incidente entre os dois elementos da mesma bancada aconteceu quando o presidente da Junta de Freguesia de Louredo se preparava para intervir,  tendo Soares Carneiro questionado a mesa dando conta que José Borges não constava da lista para intervier nesta fase do plenário.

A situação suscitou mal-estar com José Borges a acusar o líder da bancada social-democrata de o tentar impedir de falar e de continuar a sua intervenção.

“Há uma tentativa do PSD me fazer calar e queria deixar bem vincado nesta assembleia que podem utilizar esses métodos, mas a mim ninguém me cala e vou continuar a falar. Se não for por este meio, vou encontrar outro. Se o PSD entender que é viável  estou disponível para que me seja atribuído um tempo extraordinário para poder usar da palavra e defender os interesses a freguesia. Foi para isso que fui eleito e é para isso que vou continuar a trabalhar”, disse.

Soares Carneiro reagiu de imediato e voltou a referir que o nome de José Borges não constava da lista de deputados municipais para intervir nesta fase do plenário.

O presidente da Assembleia Municipal de Paredes, Baptista Pereira, tentou fazer com que o autarca prosseguisse a sua intervenção, mas face à insistência de Soares Carneiro acabou por convocar uma conferência de líderes.

 “Tanto quanto sei o presidente da Junta de Freguesia de Louredo continua a ser membro da bancada do PSD e tanto quanto sei também democraticamente não lhe podemos tirar o direito da palavra.  O que está a  pedir é que o tempo de intervenção não seja contado para  grupo do PSD. Tenho algumas dúvidas mas vou pedir uma conferência de líderes e vamos tentar decidir isso. Não vejo isso no regulamento e como não está no regulamento não posso tirar a palavra a um membro eleito”, disse, declarando, logo de seguida, após a conferência de líderes: “Há um ponto no regimento que permite ao líder da bancada, a qualquer uma delas, fazer o agendamento prévio das pessoas que vão apresentar a sua intervenção neste período antes da ordem do dia. Realmente o senhor Borges não constava dessa lista. Nós, na altura, não nos apercebemos que era, se calhar, a intenção, portanto, vamos inclui-lo, sim, na lista, mas em último lugar e esperemos que tenha a possibilidade de dizer alguma coisa. O senhor Borges continua a pertencer à bancada do PSD e, portanto, temos de cumprir as regras que o próprio regimento exige”, expressou.

“O senhor Borges já foi convidado pelo PS para ser candidato à Junta de Freguesia de Louredo. Portanto, vamos ver, o tempo vai-me dar razão”

Após o esclarecimento do presidente da mesa da Assembleia Municipal, o líder da bancada do PSD, voltou a intervir e acusou publicamente José Borges de ter sido convidado pelo PS para formar uma lista às próximas eleições, agendadas para 2021.

“O presidente da Junta de Louredo foi eleito nas listas do PSD e o presidente da junta sabe que é nas reuniões prévias à Assembleia Municipal se combina quem vai falar e sobre o quê. Nesse sentido o PSD apresentou uma lista dos intervenientes que apresentou atempadamente à mesa da Assembleia Municipal. O PSD não quer tirar o direito de intervir ao sr. Borges. O sr. Borges pode falar e tem falado sempre que quer. O senhor Borges já foi convidado pelo PS para ser candidato à Junta de Freguesia de Louredo. Portanto, vamos ver, o tempo vai-me dar razão.

btr

“Já é habitual tentarem-me calar, inscrever-me e acabar por não falar no período antes da ordem do dia”

José Borges voltou a usar da palavra esclareceu que em momento algum foi convidado para  a reunião prévia à Assembleia Municipal reiterou que não se irá demitir das suas responsabilidades de zelar pelos interesses da comunidade.

“Para que tivesse sustentabilidade  aquilo que o Dr. Soares Carneiro quis defender nesta assembleia teria de ter sido convocado para a reunião da assembleia do meu partido para poder manifestar o interesse em intervir ou não. Queria dizer ao senhor deputado que não fui convocado para essa reunião e se houvesse o mínimo de honestidade por parte do PSD nesta assembleia  teria antes de entregar a lista se queria fazer uma intervenção. Já é habitual tentarem-me calar, inscrever-me e acabar por não falar no período antes da ordem do dia, mas tenho aproveitado a oportunidade para dizer aquilo que quero durante o decorrer da assembleia e se necessário vai continuar a ser assim. Queria dizer que fui eleito pelo PSD para defender os interesses da freguesia. É assim desde o primeiro momento, será assim até ao fim. Não me vou demitir das minhas funções como presidente da Junta de Freguesia eleito pelo PSD. Por mim serei presidente de junta de freguesia pelo PSD até ao fim deste mandato, mas não estou aqui ao serviço dos interesses do PSD. Fui eleito para defender os interesses da freguesia de Louredo como presidente de junta do PSD. E é assim que vou fazer até ao fim deste mandato, quer o PSD goste, quer o PSD não goste”, concretizou.

“Não sou eu que ando a arranjar candidatos pelo PSD na freguesia de Louredo, não sou eu que estou a tentar criar instabilidade no funcionamento das instituições políticas na freguesia de Louredo”

Quanto à acusação pública de que teria sido convidado pelo PS para formar uma lista à Junta de Freguesia de Louredo nas eleições autárquicas, José Borges esclareceu que não se comprometeu com nenhum partido nem decidiu ainda se vai ser candidato às próximas eleições.

“Dizer que o meu comportamento aqui não é partidário. Que não me comprometi com partidos para a minha próxima candidatura. Não me comprometi com partido nenhum, não decidi se vou ser candidato às próximas eleições. Mais não sou eu que ando a arranjar candidatos pelo PSD na freguesia de Louredo, não sou eu que estou a tentar criar instabilidade no funcionamento das instituições políticas na freguesia de Louredo, nomeadamente na Assembleia de Freguesia, onde vocês instigam os deputados do partido a tentar criar dificuldades à gestão do PSD Louredo e de maneira nenhum vou até ao fim do meu mandato fazer mal a quem nos faz bem. Louredo foi, é será sempre uma terra reconhecida a quem nos faz bem e este executivo municipal está a fazer bem à freguesia de Louredo e terá até ao fim o meu reconhecimento. Tem-no tido e vai ter até ao fim. Foi este executivo que prometeu e cumpriu o polidesportivo de relva sintética, foi este executivo que submeteu uma candidatura da escola primária do Outeiro que foi reprovado pelo anterior executivo porque não queria, a obra está a ser feita e está quase pronta. Foi este executivo que pagou as dívidas dos terrenos comprados para o parque de lazer e que o anterior executivo disse que não tinha dinheiro para as pagar. É este executivo que está a lutar pelo progresso de Louredo. Vou defender os interesses da freguesia de Louredo e vou cumprir aquilo que Louredo manifestou no resultado eleitoral. Louredo escolheu o José Borges para ser o presidente de Junta e votou no Alexandre Almeida para ser presidente de Câmara”, confirmou.

Soares Carneiro explicou, de novo, que o artigo 16.º expressa que o período antes da ordem do dia é para tratamento de assuntos gerais, sendo que os assuntos internos do partido não são do interesse geral do município.

“Tenho-me pautado nesta assembleia por fazer intervenções de forma isenta pelo partido, mas hoje deixe-me dizer ultrapassou todos os limites porque isto não é um comício do Partido Socialista, isto é uma Assembleia. O que diz o artigo 16.º é que o período antes da ordem do dia é para tratamento de assuntos gerais. Os assuntos internos do partido não são do interesse geral do município”, referiu, defendendo que o autarca de Louredo teria excedido o tempo para fazer a sua intervenção.

Na resposta, Batista Pereira esclareceu que o tempo não tinha sido excedido.

Já quanto à oportunidade das intervenções de cada um dos deputados municipais realçou: “Se as intervenções dos deputados têm interesse ou não para o município isso é relativo para cada um. Se calhar, tinha interesse. Não tinha é para si. A população da freguesia de Louredo faz parte do município”, acrescentou.