Novum Canal – Sempre novum, sempre seu.

Novum Informação – Noticias da região

Atlético Clube de Vila Meã prepara nova época e 18 atletas já assinaram pelo clube

O Atlético Clube de Vila Meã já começou a planificar e há já 18 atletas que rubricaram acordo com o clube.

Ao Novum Canal, o presidente do Atlético Clube de Vila Meã, David Pinheiro, confirmou que a próxima época já está a ser preparada, tendo já assinado pelos rubro-negros 18 atletas.

“Sim, já está, desde o momento que terminamos a anterior, embora o clube vá ter o seu ato eleitoral para a época seguinte e na qual somos candidatos, que caso vençamos, temos tudo delineado. Já assinaram 18 Atletas, nas mais diversas posições, sendo 11 que transitam da época passada e 7 são transferências”, expressou, salientando que na próxima época espera uma prova muito competitiva e cada vez mais equilibrada, assumindo que entre os candidatos à subida estará seguramente o Atlético Clube de Vila Meã.

“O que lhe posso dizer é que o Atlético Clube de Vila Meã é favorito e candidato assumido, os outros não sei”, avançou, sustentando que o clube do irá continuar  a fazer uma gestão rigorosa.

“O Atlético Clube de Vila Meã tem, como é conhecimento dos sócios, e até do público em geral, as contas equilibradas, com resultados no último ano impares, e isso é fruto de uma gestão apertada e consciente, que assim continuará”, disse, assumindo que a equipa, toda a estrutura diretiva e técnica está pronta, ansiosa e motivada para iniciar a próxima época.

“Mas só quando houver planeamento e calendários é que se pode marcar a pré época”, afiançou.

Falando da época finda que foi suspensa devido à Covid-19, David Pinheiro assumiu que foi com um sentimento de insatisfação que não viu o clube terminar a competição.

“É um sentimento de insatisfação porque muitos dos planos que tínhamos, nas mais variadas vertentes, foram interrompidos de um momento para o outro, em prol de um bem maior que é a nossa Saúde”, afiançando, deixando, no entanto, algumas críticas às autoridades desportivas pelo “timing” que foi escolhido para terminar a competição.

“No nosso caso concreto todas as provas foram inicialmente suspensas pela Associação de Futebol do Porto, por um período de 15 dias. No momento não concordamos com a forma unilateral com que as coisas foram feitas, pois os clubes nem sequer foram ouvidos, e fizemos saber publicamente a nossa posição. À posterior e seguindo as diretrizes dos órgãos superiores que nos tutelam todos os campeonatos obrigatoriamente foram cancelados, sendo que o Atlético Clube de Vila Meã, cansado de esperar por uma posição da AF do Porto, e de todos os custos e responsabilidades naturalmente associadas, decidiu terminar a época em todos os escalões a 31 de Março, com todos os encargos e compromissos liquidados até à data”, concretizou.

Sobre esta questão, o presidente do Atlético Futebol Clube de Vila Meã reconheceu que matematicamente ainda era possível à formação do concelho de Amarante ter terminado a competição alguns degraus mais acima na tabela classificativa.

“Deduzo que se esteja a referir à equipa principal, e também á Associação de Futebol do Porto, que é quem nos tutela, uma vez que o nosso campeonato é Regional e não Nacional. Assim sendo, de facto matematicamente ainda era tudo possível para nós, quer no campeonato, quer na Taça Brali, mas não choro sobre leite derramado, foi o que foi e já passou, já viramos a página para a época 2020/2021”, confessou.

David Pinheiro manifestou que a interrupção das competições acabou, também, por ter repercussões ao nível das receita que o clube tinha em carteira, nas mais variadas vertentes (quotas, patrocínios, bilheteiras, eventos, etc.).

“Na prática não permitiu que pudéssemos lutar pela conquista da Taça Brali, que dá acesso direto à Taça de Portugal (e não sabemos ainda a posição que a AF Porto vai tomar nesta matéria) e também não permitiu que disputássemos o campeonato até ao final, que matematicamente ainda estava tudo, para nós, em aberto. Teve impactos graves e pesados, pois perdemos imensa receita que tínhamos em carteira, nas mais variadas vertentes (quotas, patrocínios, bilheteiras, eventos, etc) e tivemos que honrar todos os compromissos até ao fim, com a exceção do mês de Abril. De realçar também a enorme demonstração de amor ao clube da estrutura da formação que abdicou de parte dos subsídios, assim como também alguns do plantel principal, que mostrou um grande sentido de solidariedade para com o clube e que nós agradecemos com elevada estima e gratidão”, declarou.